Muitas pessoas têm um certo preconceito só de pensar em fazer uma consulta com um psicólogo. Porém, como o próprio nome sugere, esse é um pré-conceito, um julgamento feito por pessoas que, muitas vezes, não conhecem a fundo o tipo de trabalho realizado por esses profissionais e de que forma eles podem trazer benefícios para a vida de qualquer um.

A verdade é que a mente humana é um lugar sem limites e muito difícil de acessar. É nesse lugar que se escondem histórias, dores e medos que, muitas vezes, nem a própria pessoa tem consciência, mas que pode impactar o seu comportamento de diversas formas.

E é justamente aí que entra um psicólogo! Ele conhece as formas certas de explorar esse lugar obscuro que é a mente humana, sabe exatamente como acessar cada um dos sentimentos escondidos e abafados pelos traumas e, principalmente, sabe como trabalhar cada um desses aspectos para que cada pessoa consiga ter uma vida mais leve e um entendimento melhor de si mesma.

O que é um psicólogo e como ele atua

O psicólogo é um profissional da área da saúde que, ao longo de um curso de graduação de cinco anos, aprende, entre várias outras coisas, uma série de teorias sobre o comportamento humano, para que seja possível, então, ajudar as pessoas a superarem as suas dificuldades e se desenvolverem de alguma forma.

Algumas pessoas têm a ideia de que o psicólogo só atua com portadores de transtornos psiquiátricos, como depressão, síndrome do pânico, ansiedade e esquizofrenia – o que é um erro.

Na verdade, o psicólogo pode atender qualquer pessoa que está insatisfeita com algum aspecto da sua vida e deseja saber como melhorá-lo – como problemas no casamento, no trabalho, na educação dos filhos, nos estudos, etc.

Muitas vezes, esses problemas podem parecer simples de serem resolvidos ou as pessoas podem achar que eles estão ligados a uma questão específica do dia a dia. Porém, com o acompanhamento psicológico, é possível descobrir que, em alguns casos, pode ser algo muito mais sério e profundo, ocasionado por uma insegurança ou um trauma do passado, por exemplo. Ter esse diagnóstico é fundamental para que as dificuldades sejam devidamente superadas e não apenas mascaradas.

E é exatamente dessa forma que o psicólogo atua: por meio de conversas, ele se dedica a conhecer a fundo os seus pacientes, a fim de compreender o verdadeiro motivo do seu sofrimento e, dessa forma, ajudá-lo a superá-lo.

Método de trabalho do psicólogo

O psicólogo tem vários métodos de trabalho dentro da psicanálise.

O psicólogo tem vários métodos de trabalho dentro da psicanálise.


Não importa em qual psicólogo você vai, se ele for um bom profissional, o resultado que você terá será o mesmo: a superação de traumas, o desenvolvimento pessoal, um melhor conhecimento sobre si mesmo.

Isso não significa, no entanto, que todos os psicólogos atuam da mesma forma. Isso porque, ao longo dos seus anos de estudo, cada profissional acaba se identificando com um método específico de trabalho.

Esse método é definido a partir da teoria de estudo em que ele irá se aprofundar e aplicar em seus atendimentos.

Existem diversas teorias reconhecidas pelo Conselho da Psicologia, como a Comportamental, Cognitivista, Psicanalista ou Sistêmica. Cada uma delas compreende e explica o comportamento humano de uma forma particular, e é justamente por causa dessas particularidades, que as formas de o psicólogo trabalhar os problemas de seus pacientes poderão variar.

A partir dessas teorias é definido, por exemplo, se o método de trabalho aplicado será aquele que estimula a escuta ou que incentiva o diálogo e o vínculo colaborativo entre o terapeuta e o seu paciente. A seguir, você poderá entender melhor esse conceito. Confira!

Tipos de terapia

Não é apenas o psicólogo que precisa se identificar com uma linha teórica da Psicologia, o cliente também. Afinal, como dissemos, elas irão definir o tipo de atendimento que será oferecido – e uma pode agradar mais um paciente do que a outra.

Se você está pensando em fazer terapia, vale conhecer quais são essas teorias (ou abordagens, como são chamadas no mundo da Psicologia), para já tentar identificar que tipo de psicólogo irá combinar mais com o seu perfil.

Para facilitar a sua pesquisa, nós te apresentamos algumas delas:

Psicanálise

A psicanálise é a teoria desenvolvida pelo Freud e também uma das mais conhecidas da Psicologia. Afinal, quem não pensa logo em um divã quando o assunto é terapia?

A psicanálise utiliza exatamente esse tipo de método: o paciente se deita no divã, normalmente de costas para o psicólogo, e fica livre para falar tudo que vier à sua mente.

Um bom psicanalista vai, sim, fazer interrupções e não se manterá apenas em silêncio. Porém, de forma geral, o paciente ficará totalmente livre para abordar todo tipo de assunto, enquanto o terapeuta irá interpretar, fazer associações e analisar os sintomas e sonhos relatados pelo cliente.

Análise Junguiana

Jung foi um dos principais psicólogos do século XX e ajudou na consolidação da Psicanálise. Porém, ele deu origem à sua própria abordagem, quando percebeu que os seus estudos estavam revelando algumas divergências com relação ao método desenvolvido por Freud.

Nesse tipo de terapia, não existe o divã, por exemplo, muito pelo contrário. O paciente e terapeuta ficam sentados um de frente para o outro. Algo em comum entre o método Freudiano e Junguiano, no entanto, é que, em ambos, os sonhos são analisados e considerados uma importante fonte de informação sobre o cliente.

A análise junguiana incentiva a imaginação ativa e, assim, ensina o paciente a deixar livre as suas fantasias e a personificar o inconsciente. Para isso, durante as sessões, é bastante comum que sejam utilizadas pinturas, esculturas, desenhos, técnicas de caixa de areia e de escrita.

Behaviorismo – Comportamental

A teoria Comportamental também é muito conhecida e importante na evolução dos estudos da mente. Dentro dessa abordagem da Psicologia existem diversas escolas que divergem entre si (assim como a Psicanálise e a Análise Junguiana). Porém, de forma geral, o que se pode dizer sobre o Behaviorismo é que ele busca entender e modificar os comportamentos – sejam eles atitudes, pensamentos, emoções ou até a fala.

Neste tipo de terapia, o psicólogo vai analisar o que o paciente precisa melhorar e utilizar técnicas para promover essa transformação. Isso significa que, para cada problema ou transtorno, serão utilizadas técnicas específicas para ajudar o cliente.

Dentro da terapia Comportamental é normal que existam “tarefas de casa”, que o paciente deve realizar entre uma sessão e outra. Além disso, também é possível que o analista até mesmo saia do seu consultório para ajudar o seu cliente a realizar algum tipo de atividade, como enfrentar o medo de altura, por exemplo.

Cognitivo-comportamental (TCC)

A abordagem Cognitiva-comportamental trabalha com foco nos pensamentos disfuncionais, aqueles que te faz perder a fé em você mesmo.
Esse tipo de terapia se baseia em estudos que mostram que cada pessoa tem uma visão sobre si e o seu arredor e quando essa forma de entender o mundo muda para uma forma “autodestrutiva”, os distúrbios emocionais começam a surgir.

Dessa forma, o trabalho do terapeuta cognitivo-comportamental é ajudar o seu paciente a voltar a enxergar o mundo de uma forma diferente, para que, assim, ele possa enfrentar os estímulos externos.

Para isso, ele incentiva a mudança de pensamentos, a partir de muito treino e raciocínios funcionais, e possibilita que o cliente sempre consiga ver as circunstâncias sob outras perspectivas.

Gestalt-terapia

A abordagem da Gestalt é focada no presente e entende que o corpo e a mente estão unidos e não podem ser separados. Ela também acredita que o sentir, o pensar e o agir precisam estar em sintonia para que haja equilíbrio e saúde.

Na sessão de terapia voltada para esta abordagem, o terapeuta não apenas escuta, mas também mantém a sua atenção direcionada aos gestos, à postura, às expressões faciais e ao tom de voz de seu paciente.

O objetivo desse tipo de terapia é possibilitar que o cliente não tenha apenas um entendimento racional das coisas, mas integral, ou seja, que ele compreenda a sua forma de pensar, sentir e agir e, principalmente, que encontre uma forma positiva de encarar o presente.

Como escolher um psicólogo

É preciso saber escolher bem um psicólogo para que el seja adequado ao seu estilo.

É preciso saber escolher bem um psicólogo para que el seja adequado ao seu estilo.


Acima, você pôde conhecer algumas das abordagens mais comuns da Psicologia. Porém, existem várias outras e entendê-las é uma ótima ideia para ir em busca de uma terapia que irá, realmente, combinar com você e com o que você espera de um psicólogo.

A abordagem, no entanto, não é tudo o que você tem que analisar na hora de procurar um profissional para dar início ao seu tratamento psicológico. Confira todos os fatores que você precisa levar em consideração:

Registro

Todo psicólogo que realiza atendimentos clínicos deve, obrigatoriamente, estar registrado no Conselho Federal de Psicologia. Essa é uma forma de você, paciente, se certificar de que o trabalho do profissional é regulamentado e está sendo fiscalizado.

Você pode fazer essa consulta, solicitando o número do CRP do profissional escolhido. Depois, basta digitá-lo no site do Conselho Regional de Psicologia do seu estado. Se você não o encontrar lá, pode ser um mau sinal.

Conhecimento

A primeira sessão de terapia é sempre mais voltada para o psicólogo conhecer o seu paciente e apresentar a sua forma de trabalho. Essa é uma ótima oportunidade para você conhecer a trajetória do profissional.

Você pode também pesquisar na internet se ele tem alguma experiência com outros atendimentos similares com o seu caso. Assim, você conseguirá saber se ele estará realmente preparado para ajudá-lo.

Abordagem

Se você nunca teve contato com terapia antes, talvez seja mais difícil entender como as abordagens da Psicologia interferem nas sessões. Porém, com a breve apresentação que fizemos acima, você certamente já conseguiu perceber algumas diferenças entre elas e, talvez, até identificou alguma que te interessou mais.

Se isso aconteceu, você já deu um importante passo para encontrar o seu psicólogo. Agora, basta procurar por um profissional que utilize a abordagem que você mais se interessou para, então, dar início ao seu tratamento.

Lembre-se, no entanto, que é muito importante que você se identifique não apenas com a abordagem, mas com o perfil do psicólogo em si. Afinal, será muito mais fácil se abrir e sentir vontade de levar o tratamento adiante, se ele for realizado com um profissional que te passe confiança e que você consiga se sentir à vontade.

Se você não se identificar com o psicólogo que você escolher na primeira consulta, não desanime: procure por outros e se dedique a encontrar aquele que vai se encaixar às suas necessidades.

Referências

Uma forma de “acertar na escolha” do seu psicólogo é buscar por referências. Tem um familiar, um amigo ou um conhecido que faz terapia? Converse com ele sobre o assunto, pergunte sobre o tipo de trabalho realizado e tente entender qual é o perfil do profissional.

Mas não se esqueça que a terapia pode ser algo muito pessoal. Um tipo de abordagem que dá certo para o seu amigo, pode não dar certo para você. Então, não se apegue somente às indicações, se esquecendo de refletir sobre o que realmente irá te fazer bem.

Localização

Procure por um psicólogo que faça atendimentos em um uma boa localização para você. Muitas vezes, a sessão de terapia pode ser realizada toda semana e se o seu acesso até ela for fácil, você se sentirá mais motivado a não faltar.

Se você usa transporte público, certifique-se se conseguirá chegar lá sem grandes dificuldades. Já se o seu meio de locomoção é o carro, vale a pena conferir questões como área de estacionamento, trânsito, etc.

Honorários

Os psicólogos possuem uma tabela de referência de preços para os horários de todos os serviços oferecidos. Essa tabela foi elaborada pelo Conselho Federal de Psicologia e, justamente por causa dela, o órgão recomenda desconfiar de profissionais que cobram valores muito baixos.
De qualquer forma, cada terapeuta pode aplicar o preço que desejar em seus serviços.

Por isso, da mesma forma que você pode encontrar por atendimentos muito baratos, você também pode encontrar valores altos, que não vão combinar com o seu bolso.

A dica, nesse caso, é procurar por um profissional que cobre um valor justo e, principalmente, que se encaixe no seu orçamento, para que você não precise desistir da terapia depois de fazer apenas algumas sessões.

Para que tipo de pessoa o psicólogo é indicado

Como dissemos no início do texto, muitas pessoas têm a opinião equivocada de que o psicólogo só atende pacientes com quadros de transtornos psiquiátricos. Mas a verdade é que esse profissional é recomendado para todo tipo de pessoa que queira melhorar questões profissionais, pessoais, amorosas, financeiras (ou qualquer outra).

Até mesmo crianças que ainda não conseguem se expressar muito bem podem aproveitar dos benefícios do tratamento psicológico.

Normalmente, os problemas mais comuns apresentados a um psicólogo infantil são:

  • Problemas para se alimentar;
  • Timidez excessiva;
  • Dificuldades para dormir;
  • Agressividade, rispidez e intolerância;
  • Dificuldade de aprendizagem;
  • Agitação e falta de concentração;
  • Manias e fobias;
  • Mudanças súbitas de humor.

A ajuda de um psicólogo só traz benefícios para os seus pacientes! Se você quer ter mais qualidade de vida e leveza para encarar os desafios do dia a dia, não deixe de recorrer a esse tipo de tratamento!

Leave a Reply